Seminários do Festival Continuum abordam games e cultura eletrônica

02/09/2010
No primeiro dia (ontem) da série de seminários do Continuum – II Festival de Arte e Tecnologia do Recife, o público pôde conferir dois debates no auditório do Centro Cultural Correios. O primeiro abordou a mídia game como ferramenta de inteligência no marketing (advergame) e o segundo discutiu a redefinição do relacionamento entre artistas, mídia e público em relação à cultura eletrônica.

Os advergmes são jogos sérios que resolvem problemas estratégicos, táticos e operacionais de organizações de maneira divertida. Existem dois tipos de jogos: os que divulgam propriamente a marca ou o serviço do produto e os que divulgam a propaganda dentro do game.

Segundo o mestrando em design pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e diretor de operações da Jynx Playware, esses jogos garantem um excelente potencial aos jogadores-consumidores. “Um dos benefícios é a disponibilidade, pois o usuário pode jogar a qualquer hora, além da disseminação do game pelas redes sociais”.

Outra vantagem dessa nova mídia para as empresas que contratam este serviço é que o usuário fica envolvido pelo game e vai querer jogar até o final. O jogador tem uma boa impressão da marca à medida que o jogador avança as etapas do game, garante o administrador de empresas e especialista em marketing André Araújo.

Após o debate sobre os advergames, foi a vez da temática relacionada à cultura eletrônica ganhar destaque no seminário do Continuum. De acordo com o músico João do Morro, a Internet teve um papel fundamental na carreira musical dele. “Eu gravei o meu primeiro CD em 2007, mas foi a partir da divulgação das minhas músicas e dos meus shows nas páginas eletrônicas que consegui sucesso”.

No passado, a influência da diversidade dos gêneros musicais brasileiros era mais forte por parta da mídia. “Hoje, quem faz a relevância dos artistas é o público através de acessos no Youtube”, aponta o jornalista, doutorando em comunicação e cultura contemporânea pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e mestre em comunicação pela UFPE.

Segundo o cineasta Daniel Aragão, o ideal é tentar envolver o público com novas mídias eletrônicas. “As pessoas se concentram em baixar vídeos em qualquer formato tipo AVI, Torrent, etc. ou assistir vídeos no Youtube”. Para o cineasta o que importa é a construção do público independente da plataforma de exibição dos filmes.

Os seminários do Continuum – II Festival de Arte e Tecnologia do Recife seguem até a próxima sexta-feira (03). A programação completa está no site: http://www.continuumfestival.com/.

Texto: Rogério Balbino


Quanto custa um emprego?

05/07/2010

Necessidade involuntária,
armários de solidão.
O lanche das duas (14h)
contempla a seleção.

Rostos preoucupados,
silêncio absoluto.
A concentração nesta hora
com a vaga dos desesperados.

Texto: Rogério Balbino
Foto:  http://fernandafreitas.files.wordpress.com/2009/08/desemprego.jpg


Debate sobre reestruturação da TV Pernambuco

22/05/2010

Preocupados em discutir a reestruturação da TV Pernambuco, jornalistas, produtores, artistas, professores e representantes da sociedade civil estiveram reunidos ontem (19 de maio de 2010), no auditório do Porto Digital, no III seminário promovido pelo npvo grupo de trabalho deste veículo de comunicação.

Para debater o tema “Gestão da TV Pública”, o encontro teve a participação do jornalista Laurindo Lalo Leal, da TV Brasil, e da presidente da Associação Brasileira das Emissoras Públicas, Educativas e Culturais (Abpec), Regina Lima, além do diretor-presidente da TV Pernambuco, Roger de Renor.

“Essa iniciativa é importante, pois já começa com a participação do público”, revela Regina sobre o interesse dos pernambucanos em relação à reestruturação da TVPE. A presidente da Abpec também falou que um dos principais desafios é a consolidação de um marco regulatório eficaz para o sistema de TV´s públicas no Brasil como por exemplo os recursos financeiros.

O jornalista Laurindo Leal defende que a radiodifusão seja tratada como os sistemas de água, luz e telefone. “Temos esses serviços para a sociedade, mas a radiodifusão não é tratada como serviço público”. O comunicador falou ainda sobre a importância na criação de conselhos que garantam o ideal e os valores de uma TV pública, além da veiculação de peças audiovisuais de produtores independentes na programação.

O seminário também foi transmitido ao vivo, através de videoconferência, para os municípios de Salgueiro, Caruaru e Petrolina. Com este terceiro encontro, a nova gestão da TV Pernambuco vai elaborar um relatório de reestruturação deste sistema público para apresentar ao Governo do Estado.

Texto: Rogério Balbino


Seminário

07/05/2010

Eles têm os seus momentos:
a individualidade da leitura,
a conversa do dueto,
a espera dos olhos nos olhos.

Estão reunidos para encontrar
o que já se sabia desde o futuro
dos seres magmáticos no final dos tempos.
A vergonha de seu pudor.

Sorrisos interminantes,
Passos incandescentes,
Sou quem deveria acontecer.

Texto e foto: Rogério Balbino


Debate sobre a reformulação da TV Pernambuco

24/03/2010

Discutir um diagnóstico e uma proposta de gestão da TV Pernambuco foram os assuntos apresentados no dia 23 de março no auditório do Porto Digital, Rua do Apolo, 181, Bairro do Recife.

Mediado pelo novo diretor-presidente da TV PE, Roger de Renor, o encontro teve como palestrantes o jornalista do Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação -, Jonas Valente, e da radialista e diretora da TV Aperipê, Indira Amaral. Produtores independentes, artistas e integrantes da sociedade civil também estiveram presentes.

O jornalista Jonas Valente iniciou o debate comentando sobre o sistema público de comunicação no mundo em relação aos países que têm TV’s públicas. Ele abordou também a importância desse tipo de mídia, pois serve como instrumento em que a sociedade possa se conhecer e reconhecer.

Valente acredita que a TV Pernambuco tenha no conselho gestor qualidade técnica e transparência nos métodos de escolha de participantes e da administração desse meio de comunicação em relação aos investimentos.

A construção da TV no Brasil foi um dos temas abordados pela radialista Indira Amaral no que diz respeito à propriedade cruzada, ou seja, concentração de vários veículos de comunicação por uma única pessoa. Esse tipo de “monopólio” é proibido no EUA, segundo a comunicadora.

Indira defende que as emissoras que atendem a rede pública de televisão devam seguir um mesmo sistema de gestão, mas com particularidades culturais em cada estado.

O debate teve também a participação rápida da gestora da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco, Luciana Santos, e do radialista e professor da UFPE, José Mário Austregésilo.

Ao fim da explanação dos componentes da mesa, o microfone foi aberto ao público para esclarecimentos de dúvidas.

Texto: Rogério Balbino


O recreio

20/03/2010

As pessoas no mundo das imagens
a cada espelho, formas preocupadas.
Imperfeições cobrem maquiagens
E eu com sombras indeterminadas.

Você tem que saber:
o conteúdo está na vitrine
plásticas até no cine
não consigo entender.

A arte daqueles personagens
referencia a humildade consignada.
Cabeças pensam bobagens
e a hora chega atrasada.

A postura crítica define.
Leia mais e não buzine.
Opiniões do falso moralismo
agora é aula de jornalismo.

Texto e foto: Rogério Balbino


Poloticagem

15/03/2010


O centro é polarizado.
Do lado direito a esquerda
faz oposição, então
que caminhos devemos seguir?
Vou sugerir Av. da Compreensão.

A dúvida faz parte do sistema, problema
que ataca ferozmente.
Esse mundo mata tanta gente.
Sem saber que já morreu,
o princípio escafedeu.

Todo homem que mente
de gravata e terno sorridente
não vê a vida do indigente.

Texto: Rogério Balbino
Foto: Gabriel Muniz