Filme mostra viagem no tempo

La Jetée: vangarda audiovisual

La Jetée: vangarda audiovisual

Após 29 minutos de filme, as luzes se acendem e os estudantes da sala 106, do curso de jornalismo, se olham com uma cara de não entender coisa alguma. Uns riem, outros resmungam. Mas, o fato é que La Jetée, de Cris Marker, lançado em 1962, é um curta-metragem experimental muito a frente da época em que foi apresentado ao público.

Marker utiliza na sua linguagem cinematográfica uma narrativa com um sequenciamento de fotografias estáticas em preto e branco. As imagens têm bom enquadramento visual. Já a trilha sonora é envolvente, hipnotizante e traduz a “movimentação” das fotos. A produção de filmes antes de La Jetée era realizada pela ilusão dos movimentos conferida pelos 24 quadros projetos por segundo. O diretor vai de encontro a esse modelo e cria sua obra com uma linguagem própria que mistura documentário, ficção, imagem, escrita, memória e invenção.

O filme tem um estrutura básica de documentário, com um narrador em off, exibe uma Paris pós Terceira Guerra Mundial, cuja superfície recebe radioatividade tornando-a inabitável. Essas imagens de destruição nuclear são bem produzidas. Com a radioatividade tomando conta do ambiente, os seres humanos foram banidos a viver no subsolo e buscam novas formas de sobrevivência. A partir disso, alguns cientistas desenvolvem uma técnica capaz de enviar pessoas através do tempo. Após muitos testes e experiências frustradas, os inventores decidem recrutar pessoas, com imagens mentais muitos fortes, com objetivo de reestabelecer o passado em suas memórias.

O protagonista do filme tem a infância marcada. Quando criança, ele viu o rosto de uma mulher, no aeroporto de Orly, ao presenciar um assassinato. Essa lembrança persegue e perturba o personagem principal durante a sua existência. Ele viaja no tempo para buscar respostas científicas e o sentido dessa imagem em sua vida. Nessas viagens ao passado, protagonista encontra a mulher,  numa mistura de sonho e realidade e se apaixona por ela. Depois, ele segue para o futuro com a missão de descobrir uma fonte de energia capaz de salvar a humanidade. O filme mostra o presente, o passado e o futuro em um anacronismo que permite a sua reconstrução através da memória.

Um estudante, da sala 106, ficou imóvel sentado na cadeira após o término de La Jetée. Parecia que ele estava viajando no tempo. Será que ele pensava no futuro, passado ou presente?

Texto: Rogério Balbino
Foto: cinefrikiterror.files.wordpress.com/2010/01/l…

Anúncios

One Response to Filme mostra viagem no tempo

  1. gabrielmuniz disse:

    podes crer! aranha, crítico de cinema, hein? ta bala, o texto, abraço man!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: